Notícias Internacionais

Segundo a jornalista Courtney Beckwith, a Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia, numa colaboração com a Adventist Health International*, decidiu manter o Cooper Adventist Hospital aberto na Libéria apesar do violento surto do vírus mortal do Ébola.

 

Muitos dos hospitais públicos neste país da África Ocidental e áreas adjacentes fecharam ou recusam-se a receber mais doentes, mas o pessoal médico do Hospital Cooper decidiu continuar a receber doentes para tratamento de outras doenças. Continuam a fazer uma triagem dos doentes antes de darem entrada no hospital para se protegerem o mais possível do vírus e poderem continuar a prestar assistência aos seus doentes e aos seus funcionários com o máximo de segurança possível.

Devido ao surto do Ébola na Guiné, na Libéria e na Serra Leoa, a Conferência Geral e a Adventist Health International foram confrontadas com uma séria decisão: fechar o Cooper Hospital na esperança de parar a propagação da doença e mandar os médicos para casa para sua própria segurança, ou manter o hospital operacional.

A Dra. Gillian Seton formou-se em 2008 na Faculdade de Medicina da Universidade de Loma Linda, na Califórnia e faz parte de uma missão ao serviço do Cooper Hospital desde fevereiro de 2014. A Dra. Gillian que é médica de cirurgia geral neste hospital, acredita que a urgente necessidade de tratamento médico nesta região é tão grande que justifica largamente os perigos envolvidos na sua permanência naquele país.

“O sítio mais perigoso para se estar neste momento é num hospital, mas o que fazer quando temos um doente numa situação de emergência obstétrica? Uma apendicite ou uma crise grave de Malária com uma anemia quase mortal?", pergunta ela.

A discussão sobre o encerramento do hospital centrou-se na ameaça de uma contínua propagação do Ébola pelos países circunvizinhos e na necessidade cada vez maior de tratamento médico de outras doenças.

A Dra. Gillian afirmou que a razão pela qual o hospital não foi fechado foi o desespero com que as pessoas chegavam ao Cooper depois de lhes ter sido recusado tratamento em quatro ou cinco hospitais devido a encerramentos forçados por falta de pessoal médico.

Segundo o Dr. Richard H. Hart, presidente da Adventist Health International, o Cooper Hospital continuará aberto de acordo com quatro critérios:

1) A Adventist Health International financiará todas as operações hospitalares durante o surto.

2) Apenas o pessoal que decidir de forma voluntária permanecer ao serviço ficará no hospital.

3) A Adventist Health International continuará a enviar material médico para o país.

4) Um maior reforço de ajuda médica poderá ser enviado para a Libéria a qualquer momento, de acordo com as necessidades detetadas.

A Dra. Gillian afirmou ainda que foi a vontade demonstrada pela Adventist Health International de fornecer assistência que levou a esta tomada de decisão por parte do pessoal médico. O apoio e encorajamento manifestado pela Conferência Geral e a Adventist Health International permitiu-lhes acreditar na possibilidade de se manterem abertos para prestar ajuda ao próximo.

O Cooper Hospital não é o único hospital da Adventist Health International na África Ocidental que foi afetado por este surto. O Waterloo Adventist Hospital na Serra Leoa também está a enfrentar um grave surto do mortífero vírus.

Com a propagação do vírus pela África Ocidental estes hospitais estão limitados em pessoal médico, equipamentos e materiais médicos. Precisam também de donativos financeiros. Se quiser acompanhar as notícias e contribuir com o seu donativo pode visitar o sítio na internet www.ahiglobal.org.

* A Adventist Health International (AHI) é uma multinancional sem fins lucrativos com sede em Loma Linda, na Califórnia. A AHI foi fundada para fornecer coordenação, consultoria, gestão e assistência técnica a hospitais e serviços de saúde geridos pela Igreja Adventista do Sétimo Dia em países em desenvolvimento. A AHI não é uma agência fundadora e depende de várias organizações, fundações, governos e indivíduos para fornecer assistência financeira sempre que preciso.

Ad7 News | ADRA Portugal